quarta-feira, 4 de março de 2009

motorista ou...

Por vezes, em jeito de brincadeira - embora nunca se saiba quão sérias poderão ser as brincadeiras -, costumo dizer que um dia, se não conseguir continuar a trabalhar no que gosto e no que faço, candidato-me a motorista. O/a patrão/oa ganhará com uma boa condutora e eu faço uma coisa de que gosto. Ora estava eu, quiça a retirar trabalho a alguém, ou a proporcionar descanso a alguém, ou como gosto de pensar a zelar pela minha própria vida, que é como quem diz, a conduzir em trabalho, e em cima da farda de motorista, vestem-me o fato de sexóloga. Dúvidas e inquietações, problemas concretos, dificuldades 'potenciais'. Puxo de receitas simples: comunicação, divertimento, jogos variados, focalização nos meios e não nos fins, e comunicação... muita, verbal e não verbal implicando atenção e sensibilidade ao outro.
Mas agora pensando... não sei se ajudará uma 'sessão' tão breve, mas pelo menos serviu para me sentir confortável num diálogo tão pouco frequente, mesmo numa sociedade de pessoas aparentemente já tão libertas no comportamento sexual, mas tão pouco informadas... e sobretudo, conhecedoras do seu próprio corpo e emoções.
E ainda conduzindo, sorrio ironicamente para mim mesma, imperceptível ao outro olhar... : é que isto do distanciamento, a diversos níveis, faz-nos verdadeiros experts...

Um comentário:

LORENZO MONSANTO disse...

O Distanciamento...

Nem sempre é fácil, mas quando se consegue na devida altura...é como dizes....Experts.